segunda-feira, 14 de novembro de 2011

10

Cozinhando com arte, doçura e bom humor


Julia Child, escritora de Minha Vida na França 









Amy Adams, interpretando Julie Powell
 

Julia Child


 Acabei de assistir Julie e Julia (EUA, 2009) e corri para o Blog, porque é um filme que vale a pena compartilhar. É um filme sobre a história de Julia Child e Julie Powell. A segunda, ligada à primeira por um livro de receitas que escreve na década de 40, na França, país que vai morar por causa do emprego do marido. Ela é uma espirituosa americana que decide aprender a arte culinária Francesa e acaba escrevendo um livro de receitas com todas as suas experiências no país. Em 2002, Julie Powell, cansada e insatisfeita em seu emprego no governo, após os atentados de 11 de setembro, decide fazer algo diferente: escrever um Blog em que conta suas experiências culinárias guiadas pelo livro de Julia Child, lançando um projeto em que realiza as 574 receitas em 1 ano. O resultado disso é que também é convidada a lançar seu próprio livro, dando uma reviravolta em sua vida. O filme é leve, descontraído e divertido e ainda conta com maravilhosa Maryl Streep, que personifica admiravelmente a personagem. É muito bonito ver Julie levar adiante, mesmo em meio às dificuldades, o seu projeto até o fim, e ver como as duas tinham muitas coisas em comum, mesmo em épocas diferentes: as duas eram funcionárias públicas e não eram realizadas em seu trabalho, ambas tinham maridos companheiros e que as apoiávam, ambas amavam cozinhar...Amei o filme, a história, as interpretações, que também conta com Amy Adams, que também é ótima. Dá vontade de ir direto para a cozinha (com um livro de receitas, é claro!), cozinhar e abrir uma boa garrafa de vinho...
Julie visitando uma exposição de Julia

Festa de comemoração do término das 365 receitas...
Meryl Streep, interpretando Julia Child

 

"Conta ponto saber fazer coisinhas: ovos mexidos, camarões, sopinhas, molhos, estrogonofes - comidinhas para depois do amor. E o que há de melhor que ir pra cozinha e preparar com amor uma galinha com uma rica e gostosa farofinha, para o seu grande amor?"
(Vinícius de Moraes)



terça-feira, 1 de novembro de 2011

4

Viver, morar, habitar...o que posso chamar de meu lar?



O Projeto FNHIS em vários momentos...
Olá!
Recentemente trabalhei num Projeto Habitacional para a Cohab de Londrina, que conseguiu Recursos do Governo Federal do FNHIS (Fundo Nacional de Habitação de Interesse Social) para Construção de Casas e equipamentos sociais em bairros carentes aqui da cidade. Uma equipe técnica foi contratada para Mobilização e Organização da Comunidade, Educação Sanitária e Ambiental e Geração de Trabalho e Renda. A Política de Habitação realmente deve ser prioridade nos governos, por se tratar de uma questão até mesmo de sobrevivência das pessoas. 
Durante este período, conversamos com moradores, visitamos outros projetos e serviços e conhecemos um pouco mais da realidade local. Neste bairro em especial, falta urgentemente uma Unidade Básica de Saúde e uma Escola Estadual para oferecer o ensino médio. Cheguei a conversar com uma mãe que disse que seu filho parou de estudar por não ter escola por perto e nem dinheiro para pagar condução para outra escola, "além de ser perigoso sair à noite neste local", segundo ela (SIC), que já teve um outro filho assassinado por se envolver com drogas e traficantes. Em outra ocasião, um menino de 12 anos, cujo irmão de 16 estava privado de liberdade por assassinato, também se encontrava fora da escola porque segundo ele, a professora disse que não havia mais vagas. A questão do tráfico de drogas também é bem presente na Comunidade, inclusive com o traficante sendo uma reconhecida liderança local, que ajuda os moradores, proíbe chamar a polícia, pune quem acha que deve, influencia e coage os habitantes.
Identificamos também muitas crianças sem atividades em seu contra turno escolar, expostas nas ruas. O único Projeto Social de Convivência Sócio Educativa para crianças e adolescentes, o Viva Vida, que atende 185 pessoas, já está lotado e com uma fila de espera de 140 crianças. Enfim, os desafios são enormes.
A Comunidade tem vida própria, tem sua própria identidade, seus costumes, suas crenças, suas características próprias.
Ter uma casa habitável é o mínimo que o ser humano precisa para se desenvolver em outros aspectos de sua vida. Ela não precisa ser luxuosa, nem ostentar obras de arte e outros adereços e quipamentos supérfluos. Mas ela deve dar condições para seus moradores imprimirem nela a sua identidade, os seus gostos e preferências, ela deve abrigar da chuva, do frio, do calor, fazer com que se sintam seguros. É muito bom voltar para casa, porque ela significa lar, descanso, tranquilidade, o melhor lugar do mundo. Infelizmente, temos muitos iguais sobrevivendo em locais péssimos, expostos a riscos de incêncio, doenças, desabamentos e mais doloroso ainda, muitas crianças crescendo assim, nessas condições, enquanto nossos três poderes ganham salários pomposos e brigam por reajustes dos mesmos, esquecendo que pouquíssimos tem os mesmos privilégios. Talvez nenhum político tenha visitado os lugares que visitei, o que é escandaloso.
Foi mais uma incrível experiência, onde conheci outros ótimos profissionais e fiz boas amizades, em especial, às colegas Roseli, Janer e Gustavo, que não vou esquecer jamais.
E a vida segue, com outros desafios por vir.
A equipe saindo para um mutirão